Arquivos

David Marçal aborda, em debate, pressupostos científicos da Medicina Baseada na Evidência

O bioquímico e escritor David Marçal fala da transparência, rigor e repetição dos ensaios clínicos em Medicina baseada na evidência ou na ciência. Não perca a sua intervenção, no âmbito de um debate integrado no evento “Conversas na Aldeia Global”, que teve lugar, recentemente, em Oeiras.

Texto, recolha e edição de imagem: Por Daniela Gonçalves
Saber Viver Lisboa TV
http://www.sabervivertv.wordpress.com

Anúncios

“Conversas na Aldeia Global” sobre Ciência e Homeopatia na Medicina

A Saber Viver Lisboa TV acompanhou o debate intitulado “Ciência e Falsa Ciência na Medicina”, no âmbito do evento “Conversas na Aldeia Global” que costuma decorrer, regularmente, no auditório da Biblioteca Municipal de Oeiras. Saiba mais sobre as especificidades da Medicina Baseada na Evidência, e conheça o papel complementar e/ou terapêutico não convencional da Homeopatia. O jornalista e professor universitário Vasco Trigo moderou o debate entre o bioquímico e escritor David Marçal, e José dos Santos Lopes, homeopata e presidente da Associação Portuguesa de Homeopatia.

Texto, recolha e edição de imagem: Por Daniela Gonçalves
Saber Viver Lisboa TV
http://www.sabervivertv.wordpress.com

L mirandés i ls studos ounibersitairos

Amadeu Ferreira traduziu  várias obras literárias. Créditos da Imagem:  http://clubeliterariodoporto.blogspot.pt/2009_05_17_archive.html

Amadeu Ferreira traduziu várias obras literárias.
Créditos da Imagem:
http://clubeliterariodoporto.blogspot.pt/2009_05_17_archive.html

Ls studos ounibersitairos subre la lhéngua mirandesa bénen yá d’hai muito tiempo. Puode mesmo dezir-se que a l’ounibersidade debe la lhéngua mirandesa la sue çcobierta pa la ciéncia i alguns de ls más amportantes studos subre eilha feitos até agora. Po riba de todos, hai que lhembrar José Leite de Vasconcellos que, antre 1882 i 1901, publicou alguns de ls trabalhos que inda hoije son la grande referéncia de l mirandés, i lhançórun ls aliçaces seguros pa la cunsidraçon de l mirandés cumo lhéngua, sobressalindo antre todos l menumiento que son ls Estudos de Philologia Mirandesa (1900-1901). Por meados de ls anhos 90 de l sieclo XIX, outro grande académico, A. R. Gonçaves Vianna, lhançou las lhinhas generales d’ourientaçon pa la scrita de l mirandés, publicadas na Revista de Educação e Ensino (Vol. IX (1894): pp. 151-152), derigida por un de ls mais grandes pedagogos pertueses de l sieclo XIX, ounibersitairo i amante de l mirandés, Manuel Ferreira Deusdado. Yá ne l albar de l sieclo XX ye l grande sábio spanhol Ramón Menéndez Pidal que, cula sue obra El Dialecto Leonés (1906), stabelece, dua beç por todas, la lhigaçon de l mirandés culas lhénguas astur-lhionesas, fechando cun chabe d’ouro ls studos que habien sido feitos até essa altura.

Quedaba assi ancerrada ua quadra mui amportante, que podemos chamar de ls fundadores. A esses studos debemos la çcriçon relatibamente rigorosa de l mirandés, neilhes assenta la sue cunsidraçon cumo lhéngua andependiente, i ye achada la sue matriç nas lhénguas astur-lhionesas. I todo esso se debe als studos de eilustres ounibersitairos que, assi, dórun un cuntrebuto pa la cultura i l’eidentidade pertuesas que solo agora ampeça a ser antendido an toda la sue fundura.

Ende puls anhos cinquenta de l sieclo XX, i apuis dun lhargo siléncio, l studo de la lhéngua mirandesa passa pa l’Ounibersidade de Coimbra, seguindo l camino abierto pul porsor Manuel Paiva Boléo. Ye assi que l porsor José Herculano de Carvalho se lhança nua nuoba ambestigaçon, ne terreno, subre l mirandés, dende salindo la amportante obra que ye la Fonologia Mirandesa (1957), par’alhá d’artigos subre l’ourige i l bocabulairo de l mirandés. Nesta mesma ounibersidade i na fin de ls anhos 50, Maria José de Moura Santos apersenta Os Falares Fronteiriços de Trás-os-Montes (1967), un studo subre ls falares de la raia trasmuntana i, andrento deilhes, de la lhéngua mirandesa. Ye nesse mesmo camino que Maria da Conceição Azevedo Moreira fai la tese, nun publicada, A vida do povo mirandês através do seu vocabulário (1962). Anque séian mui amportantes estes studos, nun tráien muito eilemiento nuobo, salbo an cousas de somenos. Bálen subretodo por mos dáren la situaçon de l mirandés nesse tiempo i por mantenéren biba la sue chama na ounibersidade.

Hai ua caratelística de todos ls studos de que falemos: pássan-se mui longe de la Tierra de Miranda i nun ténen qualquiera oujetibo de anfluenciar la rialidade. Ye un tiempo an que hai l’eideia de que la pureza de l studo científico nun se puode amporcar cul tolho de la rialidade i, muito menos, anfluenciar essa rialidade. Para alhá desso, talbeç haia que acrecentar, pa nun sermos anjustos cun naide, que las cundiciones sociales i políticas nun serien las melhores. Ye este stado de cousas que s’ampeça a altarar als poucos culs studos feitos pula ‘scuola’ de l porsor Luís Filipe Lindley Cintra, subretodo l CLUL – Centro de Linguística da Universidade de Lisboa. L que ampeça por ser un studo de l mirandés pa l atlas lhenguístico de Pertual, torna-se, al lhargo de ls anhos 80 i 90 de l sieclo XX, nun porjeto d’anterbençon lhiado al renacer de la lhéngua. De ls studiosos desta fase alhebanta-se, po riba de todos, l nome de la doutora Manuela Barros Ferreira que ancarna un sprito nuobo apostado ne l renacimiento de la lhéngua mirandesa, assente na criaçon de anstrumientos científicos capazes de aguantar esse renacer de la lhéngua. La carapota de todos esses anstrumientos ye la Convenção Ortográfica da Língua Mirandesa (Proposta de 1995 e texto final publicado em 1999), ua de las quelunas (l’outra ye la lei 7/99, de 29 de Janeiro) adonde assenta l atual renacer de la lhéngua mirandesa, subretodo de la sue lhiteratura scrita. Ye andrendo de l mesmo sprito que Manuela Barros Ferreira cria l sítio de l’anternete http://www.mirandes.no.sapo.pt , hoije la percipal referéncia de l mirandés para todo l mundo. Para alhá de muito studo que publicou subre l mirandés, Manuela Barros Ferreira ten sido acumpanhada por outros eilustres ounibersitairos cumo Ivo de Castro, Rita Marquilhas, Cristina Martins, Isabel Hubb Faria i outros.

Al nible de ls studos subre la lhéngua mirandesa hai que dezir que atrabéssan agora ua quadra mui amportante, an que l papel de l’ounibersidade ye fundamental. La lhéngua mirandesa ye inda un campo de ambestigaçon sin fin para bárias ciéncias. Hai que ir al terreno, cumo fizo Daniela Gonçalves, i studar l que se stá a passar, cumo las cousas stan a eibeluir, qual ye l’eificácia de ls anstrumientos que stan a ser ousados. Esse ye un camino reciente feito por muitos outros i que asperamos nun pare, mas baia cada beç mais longe. Conhecemos trabalhos recientes feitos por alunos an algues ounibersidades a que le falta rigor i que se cunténtan cun repetir, mal, meia dúzia de cousas. Mas tamien hai outros que son amportantes achegas al coincimiento de la lhéngua mirandesa, de la sue situaçon i de las gientes que la fálan. Desses todos gostariemos de citar: Cristina dos Santos Pereira Martins (1995) Bi/trilinguismo na aldeia de Paradela, Concelho de Miranda do Douro (tese de Mestrado), Universidade de Coimbra; António Bárbolo Alves (1997) A língua mirandesa. contribuição para o estudo da sua história e do seu léxico (tese de Mestrado), Universidade do Minho, Braga; António Bárbolo Alves (2002) Palavras de Identidade da Terra de Miranda. Uma abordagem estatístico-pragamática de contos da literatura oral mirandesa, Universidade de Touluose Le Mirail (tese de doutoramiento); Carlos do Nascimento Ferreira (2003), Toponímia, Paisagem e Ambiente. Uma abordagem Geotoponímica de Sendim em Terra de Miranda, Universidade de Salamanca (tese de mestrado). Esta última tese ten ua caratelística anteiramente nuoba, pus apersenta un aneixo toponímico cun más de 200 pp. todo screbido an mirandés, l que ye la purmeira beç que acuntece an teses ounibersitairas.

Muito mais haberie a dezir, mas esto bonda para dar ua eideia de l’amportança que ls studos ounibersitairos ténen tubido pa la lhéngua mirandesa, bista de çfrentes lhados. Ye por esse camino que bai l studo de Daniela Gonçalves. Eilha fui al terreno, falou culas pessonas, ousou anstrumientos científicos para mos dezir algo de nuobo subre la situaçon de la lhéngua mirandesa. Asperemos que este puoda ser l purmeiro de muitos outros studos que eilha benga a fazer subre la lhéngua mirandesa.

Cumo lhéngua de Pertual, la léngua mirandesa ye un eilemiento eissencial de la nuossa eidentidade, pus mos premite balorizar l’amportança de la dibersidade i de la tolerança delantre de la defréncia. Por esso nun anteressa solo als mirandeses, mas a todos ls que s’anteréssan pula bida. Sendo la lhéngua la más alta spresson dun pobo, capaç de s’aguantar por sieclos i sieclos, eilha ye tamien la spresson dun bibir. I este ye un bibir pertués, pus nunca ls mirandeses se sentírun outra cousa nin quieren ser outra cousa, anque fálen tamien outra lhéngua, par’alhá de l pertués. Essa ye tamien ua caratelística de l mirandés, çfrente de las outras lhénguas minorizadas: eilha nunca dou de comer a fuorças que se quérgan tornar andependientes, mas nada mais quier que cuntinar a falar-se para anriquecer la dibersidade de l ser pertués.

Lisboua, 13 de Setembre de 2003

Amadeu Ferreira

*Prefácio da tese de licenciatura intitulada A influência linguística e cultural da rádio Mirandum-fm sobre os estudantes da UTAD de Miranda do Douro”, da autoria de Daniela Gonçalves.

A pertinência de estudar Astrologia com o olhar nos ciclos históricos

Ser astrólogo implica uma dedicação ao estudo durante toda a vida. Sabia que é possível fazer-se uma leitura da história através da Astrologia? A Saber Viver Lisboa TV conversou com Luís Resina, astrólogo, professor e diretor do espaço Salitre Cristal, em Lisboa. Apanhe este comboio do conhecimento astrológico e mantenha uma abertura emocional e intelectual, rumo a um destino de maior esclarecimento. Boa viagem e Feliz Natal!

Entrevista e edição de imagem: por Daniela Gonçalves

Recolha de imagem: Por Paula Cardoso

Durante dois meses: Mais informação* sobre prevenção* de doenças* no Diário de Notícias do que no Público

A revista Notícias Magazine, do Diário de Notícias, aposta na prevenção em saúde

A revista Notícias Magazine, do Diário de Notícias, aposta na prevenção em saúde

A Saber Viver Lisboa TV realizou um barómetro sobre a abordagem jornalística da prevenção de doenças, nos artigos publicados no Público e no Diário de Notícias, entre os dias 16 de Julho e 16 de Setembro de 2012. Quantificar os artigos destes dois jornais diários, relacionados com a prevenção de doenças, bem como efetuar uma comparação entre Diário de Notícias e Público a este nível foram os dois principais objetivos deste  estudo. Por Daniela Gonçalves

Prevenção no Diário de Notícias vs prevenção no Público

Procedeu-se à comparação do número de artigos jornalísticos sobre prevenção de doenças, publicados nos jornais diários Público e Diário de Notícias, constatando-se que o segundo jornal referido foi o que publicou mais artigos relacionados com a prevenção de doenças (42) contra 14 artigos publicados, no jornal Público. Embora devamos referir que foram publicados 14 artigos sobre factores de risco, no jornal Público, número próximo dos 17 incluídos na mesma subsecção do Diário de Notícias. Deixa-se em aberto a potencial relação que pode existir entre as subsecções de prevenção e factores de risco, partindo-se do pressuposto/equacionando a hipótese de que a informação relativa aos factores de risco pode também ajudar a prevenir doenças (saber prevenir), mesmo não sendo tão directa como a que aborda formas de prevenção.

Fotografia de um artigo da Notícias Magazine (D.N) sobre cuidar da memória

Fotografia de um artigo da Notícias Magazine (D.N) sobre cuidar da memória

Informação em saúde  no jornal Público

Entre os dias 16 de Julho e 16 de Setembro de 2012, publicaram-se no jornal Público 32 artigos de investigação e tecnologia e 32 artigos de economia/gestão em saúde. Estas duas subsecções  em saúde ocupam o primeiro lugar no que concerne à frequência de publicação de artigos em saúde, por subsecção em saúde, durante o período considerado. A secção sobre recursos humanos em saúde surge em segundo lugar, tendo sido publicados 24 artigos, no diário Público. Em terceiro lugar, encontra-se a subsecção dos acessos aos cuidados de saúde, com a publicação de 17 artigos. Tendo em consideração o nosso enfoque de análise, de salientar que foram publicados 14 artigos na área da prevenção de doenças, no jornal Publico. A subsecção da terapêutica é a que conta com menor número de artigos jornalísticos publicados, neste diário, durante a série temporal considerada.

Informação em saúde no Diário de Notícias

Considerando a análise dos artigos jornalísticos de saúde publicados no jornal Diário de Notícias, entre os dias 16 de Julho e 16 de Setembro de 2012, apurou-se que a temática em saúde mais abordada foi a  economia/gestão em saúde, com a publicação de 46 artigos. Em segundo lugar, surge a prevenção em saúde, expressa na publicação de 42 artigos. A subsecção de investigação e/ou tecnologia aparece representada em terceiro lugar, pois integrou 41 artigos. A temática dos direitos em saúde foi a subsecção com menos artigos jornalísticos publicados, durante o período de recolha de dados.

_________

N.B: Não foi possível a introdução de tabelas e gráficos, devido a problemas com as funcionalidades de media da plataforma wordpress, no entanto, refiro que a análise dos dados teve por base a realização desse tipo de tratamento quantitativo.

*** Por razões que me são alheias, os ç do título surgem sem ç, pelo que lamento esse incidente.

N.B2: As fotografias deste artigo foram tiradas pela coordenadora da Saber Viver Lisboa TV a alguns artigos da Notícias Magazine, do Diário de Notícias.